Poetas – Compositores – Músicos – Fadistas

“E é isto que é preciso meus senhores, p’ró fadinho ser cantado com todos os matadores”

Agradeço a colaboração

de

Fernando Batista - Porto * Manuel Carvalho - Porto * Maria de Lurdes Brás * Ilídio Dias * Vilma Joaquim Perez - Santos - Brasil


Seguidores

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Nuno da Câmara Pereira

Nasceu a 19 de Junho de 1951
Nuno da Câmara Pereira pertence a uma família de fadistas, tais como: Maria Tereza de Noronha, Vicente da Câmara, João da Câmara e Frei Hermano da Câmara.
A primeira actuação pública de Nuno da Câmara Pereira faz-se em 1977, no Coliseu dos Recreios de Lisboa, num espectáculo de variedades.
Começou a sua vida artística em casas de fados e restaurantes típicos da capital.
Até 1979, Nuno da Câmara Pereira manteve a sua actividade de agricultor.
Após uma recusa inicial, aceitou gravar para a Valentim de Carvalho.
O seu álbum "Fado" (1982) é composto por novas versões de clássicos, entre os quais "Acabou o Arraial" e "Cavalo Ruço".
Datado de 1983, o LP "Sonho Menino" ganhou o Trofeu Revelação do Fado da revista Nova Gente.
Em 1985 saiu o seu terceiro álbum e no final desse ano, o recital que deu na Aula Magna da Cidade Universitária de Lisboa esgotou lotações.
Nuno da Câmara Pereira conheceu por fim, um retumbante sucesso de vendas e de público com o LP "Mar Português" (1986) que atinge o Disco de Dupla Platina, equivalente a mais de 80.000 exemplares vendidos.
No álbum surgem revisões de temas antigos, como "Samaritana" e "A Rosinha dos Limões", novamente tornados grandes êxitos.
Três outros concertos na Aula Magna (1987), coroam a ascenção do fadista, esgotando de novo lotações.
Nesse mesmo ano saiu o LP "A Terra, o Mar e o Céu".
Em 1988, e acompanhando o êxito do "Fado do Ladrão Enamorado" (de Rui Veloso e Carlos T), Nuno da Câmara Pereira volta à Aula Magna para mais quatro espectáculos.
"Guitarra" (1989), "Atlântico" (1992) e "Só à Noitinha" (1985) são alguns dos álbuns que consagram a carreira de um cantor que alcançou o êxito também graças a temas vindos de outras áreas que não o fado.