Poetas – Compositores – Músicos – Fadistas

“E é isto que é preciso meus senhores, p’ró fadinho ser cantado com todos os matadores”

Agradeço a colaboração

de

Fernando Batista - Porto * Manuel Carvalho - Porto * Maria de Lurdes Brás * Ilídio Dias * Vilma Joaquim Perez - Santos - Brasil


Seguidores

quinta-feira, 5 de junho de 2008

António Pinto Basto

António Pinto Basto, nasceu a 6 de Maio de 1952 em Évora.
Cedo demonstrou grande gosto pela música em geral e em particular, pelos cantos tradicionais e pelo Fado que desde a adolescência começou a cantar em festas particulares.
Entre 1970 e 1974, enquanto iniciava os estudos de engenharia no I.S.T. (que anos depois viria a concluir com êxito), gravou 3 EPs com os quais confessa não ter agora grande identificação, uma vez que reconhece ter evoluído bastante desde essa altura, na sua forma de interpretar o fado. De 1974 a 1988 assumiu não gravar, embora inúmeras oportunidades tivessem surgido, por entender que o fado exige dos seus intérpretes mais do que a simples intuição natural.
Há que armazenar emoções.
Foram anos de amadurecimento, interiorização e prática constantes, durante os quais não deixou de se apresentar em público, quer em Portugal quer nos EUA, Brasil, Espanha, França e Angola e sempre com assinalável sucesso.
Em 1988 decidiu enfim gravar.
Sentindo estar pronto para a grande prova, preparou com invulgar profissionalismo o seu 1º LP Rosa Branca, que a PolyGram editaria no final do ano.
O êxito foi imediato e fulgurante, coroado por uma "tournée" de mais de 120 concertos em 1989, no final do qual seria editado o duplo LP "Maria".
O sucesso de críticas e de vendas repetir-se-ia.
António Pinto Basto venceu a prova a que decidira submeter-se, deixando antever uma longa, sólida e brilhante carreira como cantor e compositor.
Em 1991 foi editado o seu 3º LP intitulado, "Confidências à Guitarra".
No primeiro semestre de 1992 visita quatro continentes, levando-lhes o seu fado.
Começa por Toronto, no Canadá, vai a Macau a propósito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas e a sua estada é aproveitada para um concerto em Hong Kong, oferecido pelo Cônsul de Portugal aos diplomatas locais.
Daí segue para Angola, onde tem mais que uma actuação e, retornado à Europa, vai até Sevilha para uma noite de fados inserida no âmbito da Expo 92.
Ainda antes de terminar o ano de 1992 e em consequência do êxito obtido da 1ª vez, voltou ao Canadá para quatro concertos e de seguida foi aos Estados Unidos efectuar outro concerto, perto de Nova York e uma apresentação numa rede portuguesa de TV.
Fazendo um interregno em termos de gravações e passando por duas experiências, com êxito, de produtor discográfico, a carreira de António Pinto Basto prossegue sobretudo através dos espectáculos, quer por todo o país, quer na TV, quer no estrangeiro - novamente Canadá, África do Sul e Japão.
No final de 1993 a sua editora lança o CD "Os grandes sucessos de António Pinto Basto", compilação das anteriores três edições.
Em Outubro de 1994, um momento especial na sua carreira, é convidado pelo Instituto Cultural de Macau para ser solista numa digressão que a Orquestra Chinesa de Macau vai efectuar em Portugal.
Esta Orquestra, para além dos músicos de Macau, integra músicos oriundos de mais cinco orquestras chinesas (de Pequim, Xangai, Cantão e Hong Kong) num total de 68 elementos. António Pinto Basto interpreta dois fados acompanhado pela Orquestra Chinesa naquilo que se pretendeu que fosse uma fusão das culturas Ocidental e Oriental.
A digressão em Novembro percorre algumas cidades de Portugal, incluindo dois espectáculos em Lisboa, um no Teatro S. Luís incluído no âmbito de Lisboa 94 - Capital da Cultura e outro, de gala, no Teatro Nacional de S. Carlos.
No seguimento desta acção, foi convidado a participar como solista no VI Festival de Artes de Macau que decorre neste território em Março de 1995.
Neste mesmo mês efectou dois, concertos em Goa, na Índia, com enorme sucesso.
No final deste ano de 1995, lançou uma videocassete intitulada "António Pinto Basto em Évora" com alguns vídeo-clips e baseada principalmente num concerto efectuado na sua terra-natal.
Em Dezembro de 1995, actuou em Palermo, Itália, representando Portugal num Festival de Música Mediterrânica.
Ainda em Dezembro foi a Caracas, Venezuela, integrado no grupo de artistas que realizaram o espectáculo da Festa das Comunidades Portuguesas promovido pela RDP I.
No início de 1996 dá-se uma transferência de editora, passando para a BMG e em Maio foi lançado o CD "Desde o berço" seguido de um novo convite para actuar no Canadá, desta feita num concerto promovido pela "Aliança dos Clubes e Associações Portuguesas do Ontário" integrado nas comemorações do Dia de Portugal.
No final de 1996 teve a oportunidade de conhecer mais uma comunidade de portugueses no estrangeiro, desta feita em Inglaterra, realizando um espectáculo em Londres.
Maio de 1997, a convite da Comissão Europeia e da Embaixada de Portugal em Ancara, efectuou dois concertos na Turquia, em Izmir e em Ancara, nas comemorações do Dia da Europa.
Outubro de 1997, actuou em Bruxelas no Jantar de Gala integrado nas "Jornadas do Cavalo Lusitano", seguindo para mais uma actuação no Canadá, desta feita na reabertura da sede do "First Portuguese Club".
Em 1998, após uma pequena digressão europeia, preparou uma semana de actuação na EXPO 98 em Lisboa, bem como a experiência de produtor de espectáculos para cinco semanas, no palco de Fado da referida exposição universal da capital portuguesa, enquanto iniciou os trabalhos relacionados com o seu próximo disco.
Em 1999, a destacar uma digressão pelo Norte da América, com actuações em Montreal, Toronto no Canadá, num espectáculo organizado pela Embaixada de Portugal em Newark, este organizado pelo Consulado desta cidade.
Ainda em 1999, no Brasil, apresentações em São Paulo e Rio de Janeiro.
Já em 2000, a convite de João Braga, integra o grupo "Land of Fado", que se apresenta no auditório do NJPAC, em Newark, EUA.
Também neste ano recebe o honroso convite da RTP para apresentar um programa semanal dedicado ao Fado, nos canais RTP I e RTP África, intitulado Fados de Portugal.