Poetas – Compositores – Músicos – Fadistas

“E é isto que é preciso meus senhores, p’ró fadinho ser cantado com todos os matadores”

Agradeço a colaboração

de

Fernando Batista - Porto * Manuel Carvalho - Porto * Maria de Lurdes Brás * Ilídio Dias * Vilma Joaquim Perez - Santos - Brasil


Seguidores

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Teresa Tarouca

O Salão dos Bombeiros de Oeiras, foi palco da estreia de Teresa Tarouca, que cantou o fado tinha apenas 13 anos.
Oriunda de uma família ligada à música, é prima afastada de Maria Teresa de Noronha e prima de Frei Hermano da Câmara.
Menina-prodígio durante os anos 50, assinou contrato com a RCA em 1962, para a gravação do primeiro disco.
Cantou poemas de uma vasta galeria de autores de qualidade como D. António de Bragança, João de Noronha, Casimiro Ramos, João Ferreira-Rosa, Francisco Viana, Alfredo Marceneiro, D. Nuno de Lorena, Pedro Homem de Mello e Maria Manuel Cid.
Teresa Tarouca ganhou vários prémios nacionais e internacionais e actuou em muitos países como Dinamarca, Bélgica, Espanha, Estados Unidos e Brasil.
Em 1989 publicou um álbum emblemático da sua carreira: "Teresa Tarouca Canta Pedro Homem de Mello".
Alguns ds seus principais êxitos: "Mouraria", "Deixa que te cante um Fado", "Fado, Dor e Sofrimento", "Passeio à Mouraria", "Saudade, Silêncio e Sombra", "Não Sou Fadista de Raça", "Meu Bergantim", "Zé Sapateiro".