Poetas – Compositores – Músicos – Fadistas

“E é isto que é preciso meus senhores, p’ró fadinho ser cantado com todos os matadores”

Agradeço a colaboração

de

Fernando Batista - Porto * Manuel Carvalho - Porto * Maria de Lurdes Brás * Ilídio Dias * Vilma Joaquim Perez - Santos - Brasil


Seguidores

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Joel Pina

João Manuel Pina, nasceu no dia 19 de Fevereiro de 1920 em Rosmaninhal, Idanha-a-Nova, distrito de Castelo Branco.
Filho de uma família humilde, seu pai João era negociante de gado.
Tem dois irmãos mais velhos, o João e a Emília, casou mas não tem herdeiros.
Como habilitações literárias tem o 2º ano liceal e, desde muito novo, sentiu uma grande paixão pelo fado, que ouvia nos acordes de uma guitarra portuguesa tocada por seu pai.
Aos 8 anos de idade recebeu uma prenda mágica que o havia de marcar para o resto da vida.
Um bandolim que seu pai lhe comprara em Lisboa.
A primeira música que aprendeu a tocar foi as Pombinhas da Cat'rina, que mais tarde ensinou a tocar a outros rapazes da sua aldeia.
Mas o gosto de aprender mais e melhor fazem-no procurar um senhor marceneiro do Rosmaninhal que tocava vários instrumentos musicais e sabia solfejo.
O Mestre João Vinagre é o seu primeiro professor, que pretendia que o Joel só estudasse solfejo antes de se iniciar na aprendizagem do Bandolim.
Como a ânsia de aprender era muita, o solfejo do Mestre Vinagre sabia a pouco.
Era na barbearia do Joaquim Girão que os músicos da aldeia se encontravam e onde o Joel tinha a oportunidade de aprender mais e de mostrar os seus dotes de tocador.
Quando veio para Lisboa começou por frequentar o Café Luso onde conheceu o Professor Martinho de Assunção com quem teve as primeiras aulas de viola, dentro da técnica de acompanhar Fado.
Mais tarde passou a fazer parte do Conjunto de Martinho da Assunção tocando Baixo.
Participou durante 10 anos em emissões regulares de Rádio, na Emissora Nacional, num programa específico que tinha como objectivo divulgar a sonoridade da Guitarra Portuguesa.
É importante ter a noção de que nessa época a maioria dos programas de rádio era feita com música ao vivo devido à falta de discos que pudessem ilustrar uma sonoridade pretendida.
Assim nasceu o conjunto Raul Nery, constituído pelo próprio Raul Nery e Fontes Rocha que tocavam Guitarra portuguesa, Júlio Gomes na Viola e Joel Pina no Violão Baixo.
Uma das características interessantes da técnica de tocar de Joel Pina tem a ver com a afinação que utiliza no seu Violão Baixo.
Normalmente uma Viola Baixo afina do agudo para o grave em Sol, Ré, Lá, Mi., mas o Bandolim que recebeu aos 8 anos de idade deu-lhe a experiência de tocar numa outra afinação característica dos Bandolins ou do ambiente clássico da família dos Violinos.
Esta afinação é do agudo para o grave Mi, Lá, Ré, Sol.
Todos os músicos são insatisfeitos com a sonoridade do instrumento com que tocam.
No dizer de Joel Pina "O instrumento de que mais gosta é aquele que menos gosta, por ser muito grande" mas que lhe trás boas recordações pois com ele gravou os principais êxitos de Amália Rodrigues.
Foi na companhia desta cantadeira do Fado que durante 30 anos Joel Pina viajou pelo mundo inteiro levando o Fado e a voz da Amália a muitos emigrantes e não só, como um embaixador da cultura portuguesa.
Recorda com grande saudade as tournées que fez com Amália Rodrigues e considera-se um homem privilegiado por ter tido uma carreira musical tão rica.